Iniciar sessão
Email Senha
Artigos / Contabilidade

10.02.2017

Contabilidade | Financeira

Alexandra Domingos | Manuela Duarte | Manuela Sarmento

Desenvolvimento de competências gerais e específicas nos cursos superiores do 1º ciclo de contabilidade: percepção dos estudantes finalistas

Nos últimos anos, todos os cursos superiores em Portugal depararam com alterações significativas relativamente aos anteriores modelos de ensino e os cursos de contabilidade não foram exceção. A adoção do processo de Bolonha implica uma mudança de paradigma educacional que promove sistemas curriculares centrados no estudante, nas aprendizagens ativas e no desenvolvimento de competências. O processo de Bolonha ergueu assim, todo um modelo de aprendizagem, que tem por detrás preocupações ao nível da empregabilidade dos diplomados pelas instituições do ensino superior (IES).

30.01.2017

Contabilidade | Financeira

Carlos Pinho | Lúcia Lima Rodrigues | Maria Anunciação Bastos

Instrumentos financeiros a justo valor: alterações resultantes da crise

Há já alguns anos a esta parte que o justo valor se encontra vertido no normativo Português.
Porém, o Regulamento (CE) n.º 1606/2002 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 19 de julho de 2002 veio, sem dúvida, promover o aumento da sua utilização por parte das entidades. Esse regulamento estipulou a obrigatoriedade de aplicação das Normas Internacionais de Contabilidade/Normas Internacionais de Relato Financeiro (IAS/IFRS) em vigor na União Europeia (UE) e respetivas interpretações a partir de 01/01/2005, a todas as sociedades dos Estados Membros da UE com valores mobiliários admitidos à negociação num mercado regulamentado, na elaboração das suas contas consolidadas, e grande parte dessas IAS/IFRS já contemplavam a utilização do justo valor como base de mensuração para diferentes elementos das demonstrações financeiras.

16.11.2016

Contabilidade | Analítica

Ana Bela Teixeira

A contabilidade de gestão no SNC-AP - Uma proposta de implementação

A gestão eficiente, eficaz e com qualidade preconizada no Sistema de Normalização Contabilística para as Administrações Públicas, passa obrigatoriamente pela informação obtida no sistema de contabilidade de gestão e não é a sua obrigatoriedade, mas a possibilidade de apoiar a gestão e tomar medidas corretivas, nos processos ou nas diferentes fases de formação dos custos, que impõe a sua implementação adequadamente.

10.11.2016

Contabilidade | Analítica

Rui Vieira

Sistemas de custeio - Imputação racional dos custos industriais

A imputação dos custos fixos industriais aos produtos produzidos é uma prática que, para efeitos de tomada de decisão, pode não ser recomendada. Por um lado, pela sua natureza fixa, o valor unitário depende diretamente da quantidade produzida. Por outro lado, há que considerar as dificuldades em identificar critérios de imputação adequados para repartir os custos fixos industriais pelos produtos, sendo que estes custos são normalmente indiretos (comuns e sem uma relação direta com os produtos ou serviços). O argumento é que, para efeitos de tomada de decisão, a imputação arbitrária dos custos fixos confunde mais do que auxilia. A margem de contribuição que traduz a diferença entre os proveitos (vendas e prestações de serviços) e os custos variáveis, tem a vantagem de tornar visível a contribuição de cada produto para, em primeiro lugar, cobrir os custos fixos e, posteriormente, formar o lucro.

29.09.2016

Contabilidade | Financeira

Ana Maria Gomes Rodrigues | Maria de Lurdes Ribeiro da Silva | María del Pilar Muñoz Dueñas

A divulgação sobre os ativos intangíveis pelos grupos bancários em Portugal: uma abordagem empírica

O principal objetivo do presente estudo é analisar a extensão e a evolução da divulgação sobre intangíveis pelos grupos bancários a operar em Portugal no período 2001-2009, que representa um período de quatro anos anterior à adoção da IAS 38 do IASB e um período de quatro anos após a adoção desse normativo.