Iniciar sessão
Email Senha
Artigos / Auditoria

22.09.2017

Auditoria

Bruno José Machado de Almeida

A variabilidade dos relatórios de auditoria e o volume de capitais próprios: o caso dos hospitais públicos portugueses, EPE

Os capitais próprios são uma grandeza ideal que os auditores identificam nos seus relatórios e cuja validação requer um julgamento fundamentado, desenvolvido numa envolvente em constante mutação, o que impõe a necessidade de um pensamento crítico no processo de auditoria. Pesquisar a correlação entre os relatórios de auditoria emitidos no período de 2003 - 2008 pelos auditores nomeados pelo Ministério das Finanças de Portugal, relativamente às demonstrações financeiras apresentadas e divulgadas pelo órgão de gestão dos hospitais públicos portugueses, sob a forma jurídica de Entidade Pública Empresarial (EPE), é o objetivo deste trabalho. Recorremos para isso à análise das demonstrações financeiras apresentadas, bem como à observação da universalidade das certificações legais das contas publicadas no site respetivo, às quais aplicámos uma análise estatística apropriada (ANOVA a um fator). Os resultados obtidos permitem-nos afirmar que apenas uma pequena variabilidade do total da certificação legal das contas é explicada pelos capitais próprios.

13.09.2016

Auditoria

Isa António

Das parcerias público-privadas no sector da saúde: o controlo externo do tribunal de contas

Este estudo pretende debruçar-se sobre a vertente económico-financeira das parcerias público-privadas no sector da saúde.
Num primeiro momento, definimos e caracterizamos a figura jurídica da «PPP», mencionando as suas origens e os desideratos para os quais foi pensada e criada.

18.04.2016

Auditoria

Ana Alexandra Pimenta Cabral Bondoso | Carmem Teresa Pereira Leal | Sara Alexandra da Eira Serra

A contabilidade e o interesse público - O sistema de controlo interno nos municípios portugueses

As potencialidades do controlo interno (CI) tornam-no um instrumento indispensável para qualquer organização. Esta necessidade é ainda mais premente nas entidades públicas que gerem recursos públicos. Todavia, o desempenho do sistema de controlo interno (SCI) depende da forma como este se encontra estruturado. Cientes desta premissa, pretendemos analisar o SCI dos municípios portugueses, apurando dados sobre a sua implementação e monitorização. Para tal, foi submetido um questionário aos 308 municípios portugueses, tendo-se obtido 140 respostas. Os resultados permitiram concluir que, apesar da maioria dos municípios reconhecerem as potencialidades do SCI e deste ser obrigatório desde 2002, apenas 82,90% o possuem, sendo a sua monitorização pouco frequente. Ainda assim, consideramos que a promulgação do POCAL foi fundamental para a implementação do SCI nos municípios, destacando-se, ainda, como fator determinante a dimensão do município.
Os dados revelaram que quanto maior é o município, maior é a probabilidade de possuir SCI.

10.03.2016

Auditoria

Ana Cristina Marques Daniel | Helena Isabel Barroso Saraiva | João Pedro Marques Carlos | Vítor Manuel de Sousa Gabriel

A Contabilidade e o Interesse Público - Controlo Interno e Mudança na Administração Pública: Apresentação de caso

Nas últimas décadas produziu-se uma das maiores mudanças da história da Administração Pública (AP) portuguesa. Este processo de mudança ancorou-se no conceito da modernização administrativa, a qual se relaciona com objetivos de simplificação, eficiência e transparência, no sentido de prestar melhores serviços aos cidadãos-clientes.
Neste âmbito surge, entre outros, o Sistema de Controlo Interno como uma ferramenta crucial, com o objetivo de assegurar que a organização respeite políticas e objetivos, salvaguarde ativos, evitando fraudes e erros, assim como assegurar o cumprimento dos requisitos legais e regulamentares.

02.02.2016

Auditoria

Luís Fonseca

Caso Prático: Auditoria contínua na prevenção e detecção de fraude

A perenidade das organizações e o interesse público incentivam a que as organizações recorram cada vez mais ao uso de sistemas de informação. A sua atividade é registada nesses sistemas, os documentos circulam e são arquivados em formato digital e a informação contabilística é produzida através de automatismos.