Iniciar sessão
Email Senha
Artigos / Toda a matéria

13.06.2017

Fiscalidade | Rendimento

Joaquim Miranda Sarmento

Breves notas sobre o IRPC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas de Cabo Verde

Este artigo procura dar uma panorâmica geral do novo Imposto sobre os Rendimentos das Pessoas Coletivas de Cabo Verde (IRPC), introduzido em 2015. Assim, analisamos as principais matérias deste imposto e a forma como a transição do anterior IUR - Imposto Único de Rendimento foi realizada. Dado que o IRPC foi baseado no IRC Português, é também feita uma comparação das principais diferenças entre os dois normativos.

29.05.2017

Fiscalidade | Benefícios Fiscais

Sara Isabel Oliveira Duarte | Sérgio Nuno da Silva Ravara Almeida Cruz

Benefícios fiscais aplicáveis às fundações

As Fundações gozam de um estatuto fiscal privilegiado, que tem sido justificado pelo caráter de interesse geral das atividades destas entidades, desde que tenham sido reconhecidas como pessoas coletivas públicas. Este artigo tem como objetivos: analisar alguns dos benefícios fiscais que as Fundações podem usufruir no seio dos seguintes impostos: IRC, IVA, IMI, IMT, ISV, IUC e IEC; apresentar sumariamente o aproveitamento destes benefícios por estas organizações. Para isso, para além da análise da legislação fiscal, recorremos à base de dados disponibilizadas pela AT, para o ano 2015, a qual possibilita obter informação dos beneficiários por tipo de imposto e benefício, a partir de € 1.000. Concluímos que é no IRC que se verifica maior poupança fiscal. O IMI e o IVA também conferem benefícios fiscais com alguma expressão a estas entidades.

09.05.2017

Contabilidade | Financeira

Cristina Gonçalves Góis | Licínia Mendes Gonçalves

Contabilidade Forense - Uma perspetiva fiscal na fraude por faturas falsas

A contabilidade forense extravasa o âmbito das investigações financeiras que resultam em processos judiciais. Esta atividade é considerada como a “ciência” que analisa as demonstrações financeiras, investiga a fraude, apresenta os factos e as evidências, os desvios, a falsificação, a manipulação, mas, principalmente é aquela que analisa e produz a apresentação de provas perante o tribunal. Esta ciência está ainda num estádio incipiente de desenvolvimento em Portugal.

11.04.2017

Contabilidade | Financeira

Maria do Rosário dos Santos

A contabilidade pública em Portugal: atualidade e desafios futuros

Os referenciais de contabilidade pública existentes em Portugal têm sido objeto de debate devido à sua fragmentação e dificuldade de consolidação e controlo do Orçamento de Estado. Este estudo tem por objetivo apresentar um breve percurso pelos referenciais de contabilidade pública existentes atualmente em Portugal e pelas questões que lhe estão subjacentes, nomeadamente o papel da interpretação das contas públicas nas decisões governamentais e na implementação de políticas públicas e a lógica de funcionamento dos referenciais contabilísticos. Desenha-se o futuro da contabilidade pública no âmbito do novo referencial contabilístico, o SNC-AP, e da sua natureza agregadora que procura extinguir a fragmentação atual da contabilidade pública e da sua organização, espelhando o negócio da administração pública através de Normas de Contabilidade Pública (NCP). Finalmente, serão referidos os desafios que se avizinham para a implementação do novo paradigma da Contabilidade Pública.

29.03.2017

Gestão

Kai Zabel | Pedro Moreira | Tom Bangemann

Role of shared services organizations, evolution and future trends

Pedro Moreira: How do you see the evolution of the SSO’s in the past 10 years, and how do you see their role today in the organizations?
Tom Bangemann: We’ve been talking this shared service or global business services topic now for about 20+ years. We’ve got quite some development over those 20 years and obviously, depending on who you talk to today, there are people who started yesterday and they will have very different views and very different questions from somebody who started 20 years ago. Nevertheless, it’s a significant transformation in terms of the topic itself because when we started it was obviously for, in most cases, individual’s models of shared service centres on transactional activities mostly in accounting, which was what it was mostly in the beginning.