Iniciar sessão
Email Senha
Artigos / Toda a matéria

15.12.2016

Economia

José Ramos Pires Manso | Vítor Manuel de Sousa Gabriel

Análise do comportamento da volatilidade das bolsas internacionais em períodos turbulentos

Neste estudo é estudado o impacto da atual crise financeira global na volatilidade dos mercados bolsistas internacionais. Com este objetivo, foram analisados doze mercados bolsistas, desenvolvidos e emergentes, no período compreendido entre 4/10/1999 e 30/06/2011.

06.12.2016

Fiscalidade | Outros

Fátima David | Maria da Guia Coutinho | Maria Lúcia Marques

Sistema cooperativo em Portugal: Enquadramento legal

Esta investigação apresenta o enquadramento legal do sistema cooperativo em Portugal, na medida em que o atual quadro jurídico se carateriza por um elevado grau de autonomia face à legislação civil e comercial reguladora das demais formas de pessoas coletivas admitidas no direito português.

28.11.2016

Fiscalidade | Outros

Afonso Arnaldo | Joaquim Miranda Sarmento | Paulo Marques

A (extra)fiscalidade no banco dos réus: Uma perspectiva financeira e jurídica em ordem ao crescimento sustentável

«O propósito desses tributos e normas não é aumentar a receita (liberar recursos para o governo), mas corrigir, gradual e continuamente, a distribuição de riquezas e impedir concentrações de poder que prejudiquem o valor equitativo da liberdade política e da igualdade equitativa de oportunidades».

16.11.2016

Contabilidade | Analítica

Ana Bela Teixeira

A contabilidade de gestão no SNC-AP - Uma proposta de implementação

A gestão eficiente, eficaz e com qualidade preconizada no Sistema de Normalização Contabilística para as Administrações Públicas, passa obrigatoriamente pela informação obtida no sistema de contabilidade de gestão e não é a sua obrigatoriedade, mas a possibilidade de apoiar a gestão e tomar medidas corretivas, nos processos ou nas diferentes fases de formação dos custos, que impõe a sua implementação adequadamente.

10.11.2016

Contabilidade | Analítica

Rui Vieira

Sistemas de custeio - Imputação racional dos custos industriais

A imputação dos custos fixos industriais aos produtos produzidos é uma prática que, para efeitos de tomada de decisão, pode não ser recomendada. Por um lado, pela sua natureza fixa, o valor unitário depende diretamente da quantidade produzida. Por outro lado, há que considerar as dificuldades em identificar critérios de imputação adequados para repartir os custos fixos industriais pelos produtos, sendo que estes custos são normalmente indiretos (comuns e sem uma relação direta com os produtos ou serviços). O argumento é que, para efeitos de tomada de decisão, a imputação arbitrária dos custos fixos confunde mais do que auxilia. A margem de contribuição que traduz a diferença entre os proveitos (vendas e prestações de serviços) e os custos variáveis, tem a vantagem de tornar visível a contribuição de cada produto para, em primeiro lugar, cobrir os custos fixos e, posteriormente, formar o lucro.